Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/7407
metadata.dc.type: Livro
Title: Sociedade Civil em Maceió /AL: respostas solidárias à crise da pandemia de Covid-19. Relatório Técnico
metadata.dc.creator: Leal, Leonardo Prates (coord.)
metadata.dc.description.resumo: A crise pandêmica vivida em todo o mundo como resultado da contaminação do Sars-CoV-2, causador da Covid-19, tem produzido diferentes efeitos, conforme as distintas configurações das sociedades atingidas e o modo como cada uma delas tem reagido à crise em termos de ação pública e cidadã. No caso brasileiro, a crise pandêmica veio somar-se à crise política de uma sociedade profundamente dividida no pós-eleição 2018 e à crise social e econômica que já vinha agudizando-se nos últimos anos, tendo em vista o cenário de profundas desigualdades combinado com o aumento vertiginoso do desemprego, da precarização do trabalho e da erosão ambiental. Adicionalmente, o padrão de coordenação das políticas públicas, previsto pela Constituição Federal de 1988, está desenhado no sentido de propiciar aos Estados, Distrito Federal e Municípios um direcionamento sobre ações na oferta de serviços elaborados no âmbito federal. Com a pandemia, entretanto, é possível observar que a ausência de uma coordenação do governo federal (Santana e Perez, 2020) inviabilizou o adequado enfrentamento da doença no país. Os governos subnacionais tiveram um papel muito importante com a adoção de medidas rápidas e necessárias, mas muitas vezes inviabilizadas em meio a um turbilhão de informações diárias que passaram a ser veiculadas e disseminadas para a população. Diante desse contexto, as Organizações da Sociedade Civil (OSC), embora enfrentando dificuldades, passaram a realizar diferentes ações para mitigar os efeitos da pandemia no Brasil contudo enfrentam dificuldades para alcançar esse objetivo, tais como, capacidade instalada, recursos financeiros, mobilização local, pressão por demanda, escasso acesso às políticas públicas, informação adequada, entre outros. A atual conjuntura tem requerido maior atuação dessas organizações e, portanto, vale analisar a sua importância para minimizar os efeitos da pandemia e o seu papel de destaque ao lado das políticas públicas. Quais ações foram realizadas? Quais desafios enfrentaram? Quais as formas de interação com o Estado? Como tais interações estão ocorrendo? A Covid-19 ampliou as condições de fragilidade social e econômica nas comunidades vulneráveis de cidades com grandes aglomerados urbanos subnormais e as OSC têm cumprido um papel destacável no combate às consequências da pandemia. Esta afirmação é reiterada pelas recentes pesquisas sobre os impactos do avanço da pandemia de Covid-19 (Rede de Pesquisa Solidária, 2020; Abers e Bülow, 2020; Leal e França Filho, 2020). Neste contexto, entender como as OSC têm reagido constitui reflexão importante tanto para conhecer a natureza das práticas que surgem, quanto para avaliar seu efetivo alcance no enfrentamento da crise. As OSC atuam por meio de inúmeras iniciativas baseadas em processos de auto-organização, especialmente presente em movimentos sociais, comunidades e bairros populares nas periferias de centros urbanos. Por extensão, tais iniciativas conectam-se também aos inúmeros casos da sociedade civil já mobilizados e atuantes no mundo do trabalho social há muitas décadas. O sentido da solidariedade nestas experiências se traduz- no ideal e na prática da reciprocidade democrática. Os resultados alcançados no presente estudo apresentam um conjunto de informações obtidas por meio de entrevistas junto a representantes de 100 (cem) OSC, que trabalham em comunidades, bairros, territórios e localidades em condição de alta vulnerabilidade social da cidade de Maceió/AL. Trata-se de uma coleta de informações objetivas sobre os principais problemas enfrentados por essas populações, diante do avanço da pandemia. A identificação e acompanhamento desses problemas permitem a antecipação de crises e o gerenciamento de riscos, tanto pelo poder público, quanto pelas próprias comunidades. Assim, o presente relatório, coordenado pelos pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Leonardo Leal, Maria Amélia Corá, Luciana Santana e Emerson do Nascimento, busca apresentar, de forma sintética, os resultados de uma pesquisa voltada a entender as respostas das OSC frente à crise da pandemia de Covid-19, na cidade de Maceió/AL. Os dados apresentados aqui foram extraídos por meio de entrevistas online dirigidas a representantes de 100 organizações da sociedade civil alagoana. O intuito foi identificar, na perspectiva das lideranças comunitárias, as ações e desafios da sociedade civil local e avaliar as políticas públicas desenvolvidas e/ou em desenvolvimento voltadas à mitigação das consequências sociais e econômicas da pandemia de Covid-19 na cidade de Maceió/AL.
Abstract: n
Keywords: Organizações da Sociedade Civil
Solidariedade
Covid-19
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Alagoas
metadata.dc.publisher.initials: UFAL
Citation: LEAL, Leonardo Prates (coord.). Sociedade Civil em Maceió /AL: respostas solidárias à crise da pandemia de Covid-19. Relatório Técnico. Maceió: Universidade Federal de Alagoas : Ed. IABS, 2020. 43 p. ISBN: 978-65-87999-03-6.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/7407
Issue Date: 24-Nov-2020
Appears in Collections:Livros e E-books - RECURSOS EDUCACIONAIS



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.