00 CAMPUS ARISTÓTELES CALAZANS SIMÕES (CAMPUS A. C. SIMÕES) ICS - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Dissertações e Teses defendidas na UFAL - ICS
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufal.br/jspui/handle/riufal/3623
Tipo: Dissertação
Título: “Eu não vejo muitos negros aqui” uma etnografia sobre a política nacional de saúde integral da população negra em Maceió
Título(s) alternativo(s): I do not see many black people here: An ethnography on the national policy of integral health of the black population in Maceió
Autor(es): Santos, Roberta Dayanne de Oliveira
Primeiro Orientador: Nascimento, Pedro Francisco Guedes do
metadata.dc.contributor.referee1: Allebrandt, Débora
metadata.dc.contributor.referee2: Neves, Ednalva Maciel
Resumo: A dissertação discute a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra enquanto uma biopolítica, cujo objetivo é “fazer viver” o grupo de pessoas a qual se destina. Por ocasião da investigação etnográfica que ocorreu em diversos lugares da cidade de Maceió, pôde-se assimilar a partir de qual lugar os interlocutores emitem suas opiniões e as variadas interpretações feitas do documento. Esta diversidade interpretativa está fortemente ligada às múltiplas significações encontradas na pesquisa a respeito do que é ser negro no Brasil. O racismo desponta como elemento central de debate, fortemente ligado a tríplice invisibilidade que circunda o argumento, a saber: a invisibilidade de um cartaz, do negro e da própria política nacional de saúde da população negra. Enquanto um documento que legitima direitos à saúde e reconhece a fragilidade social na qual o negro brasileiro está inserido, a referida política pública é um instrumento que parte do Ministério da Saúde em consonância com as reclamações dos movimentos sociais, através do qual se pretende mudar o comportamento dos profissionais de saúde no momento do atendimento. Analisa-se também o Estado enquanto possuidor do poder de legitimação de direitos sobre as necessidades de saúde da população negra e de que forma as biopolíticas servem como elemento-chave para tais intervenções.
Abstract: The dissertation discusses the National Policy of Integral Health of the Black Population as a biopolitics, whose objective is to "make live" the group of people for whom it is intended. On the occasion of the ethnographic investigation that occurred in several places of the city of Maceió, it was possible to assimilate from which place the interlocutors emit their opinions and the varied interpretations made of the document. This interpretive diversity is strongly linked to the multiple meanings found in the research about what it is to be black in Brazil. Racism emerges as a central element of debate, strongly linked to the triple invisibility that surrounds the argument, namely: the invisibility of a poster, the black and the national health policy of the black population. While a document that legitimates health rights and recognizes the social fragility in which Brazilian blacks are inserted, this public policy is an instrument that starts from the Ministry of Health in line with the demands of social movements, through which it is intended to change the behavior of health professionals at the time of care. The State is also analyzed as having the power to legitimize rights over the health needs of the black population and how biopolitics serve as a key element for such interventions.
Palavras-chave: Antropologia social
Negros
Maceió (AL)
Racismo
Políticas sociais
Biopolítica
Negros – Saúde
Health of the black population
Institutional racism
Biopolitics
Health policies
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ANTROPOLOGIA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Universidade Federal de Alagoas
Sigla da Instituição: UFAL
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Citação: SANTOS, Roberta Dayanne de Oliveira. “Eu não vejo muitos negros aqui” uma etnografia sobre a política nacional de saúde integral da população negra em Maceió. 2017. 96 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Ciências Sociais, Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2018.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/3623
Data do documento: 15-Dez-2017
Aparece nas coleções:Dissertações e Teses defendidas na UFAL - ICS



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.