Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/1222
metadata.dc.type: Dissertação
Title: O corpo grávido: um estudo com gestantes num hospital público
Other Titles: The Pregnant Body: a study with pregnant women in public hospital
metadata.dc.creator: Santos, Raquel de Lima
metadata.dc.contributor.advisor1: Leitão, Heliane de Almeida Lins
metadata.dc.contributor.referee1: Vilhena, Junia de
metadata.dc.contributor.referee2: Zanotti, Susane Vasconcelos
metadata.dc.description.resumo: A gravidez pode ser compreendida como uma experiência que envolve grandes modificações na vida da mulher, sejam elas de ordem física, psíquica ou social. Dentre estas mudanças, destaca-se a questão do corpo e suas transformações, enfocadas no presente estudo. As inquietações deste estudo giram em torno de questões acerca de como os ideais de beleza do corpo vigentes na cultura interferem neste processo, na medida em que as transformações corporais inerentes à gravidez possam ser vividas como indesejáveis, desconfortáveis e estranhas. A teoria de Donald Winnicott defende a concepção de que a constituição da subjetividade humana é indissociável do ambiente; neste sentido, o processo de constituição subjetiva da maternidade ocorre no contexto relacional e sociocultural da mãe. O presente estudo é norteado por uma questão principal: como as gestantes vivenciam a experiência com o corpo grávido na atualidade? Tendo como objetivos específicos: identificar como as transformações corporais decorrentes da gestação são percebidas e vivenciadas pelas gestantes; compreender como o ideal estético para o corpo feminino prevalente na cultura produz impactos subjetivos nas gestantes face às transformações corporais experienciadas durante a gestação; averiguar como estas experiências ocorrem em gestantes no contexto de famílias de baixo nível socioeconômico. A pesquisa foi realizada no ambulatório pré-natal de um hospital público em Maceió, na qual participaram doze gestantes nulíparas e maiores de dezoito anos. Os instrumentos da pesquisa para a coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e a produção de desenhos. As entrevistas foram realizadas individualmente, gravadas em áudio, transcritas e submetidas à análise de conteúdo. Os resultados apontam que a experiência com o corpo grávido se dá no contexto do significado da gravidez para a gestante, estando particularmente relacionada a se a gravidez foi planejada ou não. As mudanças corporais surpreendem mais as gestantes que não planejaram a gravidez, as quais relatam que vivenciam essas modificações com estranhamento. O significado das mudanças corporais se dá no contexto relacional, com referências principalmente ao companheiro e à própria mãe. Apesar das transformações corporais serem mais intensas no segundo e terceiro trimestre de gestação, a vivência destas mudanças não apareceu diretamente relacionada ao período gestacional das participantes. A capacidade de gerar uma vida no interior do próprio corpo surge como uma experiência afetiva positiva e compensadora. A disponibilidade de amamentar observada nos relatos parece atender a uma expectativa social, mas pode também indicar o desenvolvimento da preocupação materna primária. Embora os relatos não mencionem explicitamente os padrões de beleza corporal estabelecidos na atualidade, a maioria das gestantes se refere ao “corpo normal” em oposição ao corpo grávido, remetendo à questão da norma e da normatização que se impõe na cultura contemporânea. Os desenhos se mostraram instrumentos potencialmente importantes de investigação na medida em que foram consonantes com as falas das participantes, auxiliando na discussão dos resultados.
Abstract: Pregnancy can be understood as an experience that involves major changes in women's lives, whether physical, psychological or social. Among these changes, there is the matter of the body and its transformations, focused in the present study. The study concerns revolve around questions of how the ideals of beauty of the body in culture prevailing interfere in this process, in that the body changes associated with pregnancy may be experienced as unwanted, uncomfortable and strange. The Donald Winnicott's theory supports the idea that the constitution of human subjectivity is inseparable from the environment, in this sense, the process of subjective’s motherhood constitution occurs in the context of relational and sociocultural mother. This study is guided by a central question: how pregnant women experience the experiment with a pregnant body nowadays? By having specific objectives: identify how the body changes from pregnancy are perceived and experienced by pregnant women; understand how the aesthetic ideal for the female body prevalent in the culture produces subjetive impacts in pregnant women in relation to body changes experienced during pregnancy. The research was conducted in the antenatal clinic of a public hospital in Maceio, attended by twelve nulliparous pregnant women over eighteen years old. The research instruments for data collection were semi-structured interviews and drawing production. The interviews were conducted individually, audio-recorded, transcribed and subjected to content analysis. The results indicate that experience with a pregnant body occurs in the context of the meaning of pregnancy for the mother and is particularly related to the pregnancy, if it was planned or not. The changes in the body, it surprises more often the women who did not planned the pregnancy, which report that they experience such changes with strangeness. The meaning of bodily changes occurs in the relational context, with references mainly to the partner and to the mother herself. Despite the fact that body changes are more intense in the second and third trimester of pregnancy, the experience of these changes did not appear directly related to gestational period of participants. The ability to generate a life within the body itself emerges as an affective experience positive and rewarding. The availability of breastfeeding observed in the reports seems to meet a social expectation, but can also indicate the development of primary maternal preoccupation. References to beauty standards body established culturally emphatically not appear in the accounts; however, most of the women allude to the idea of a "normal" body as a counterpoint to the pregnant body, referring to the question of the standard and the standardization that is needed in the culture. The drawings were important investigative tools in that were in line with the statements of the participants, assisting in the discussion of results.
Keywords: Corpo
Gestação
Winnicott
Cultura
Body
Gestation
Culture
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Alagoas
metadata.dc.publisher.initials: UFAL
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Citation: SANTOS, Raquel de Lima. O corpo grávido: um estudo com gestantes num hospital público. 2013. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Programa de Pós Graduação em Psicologia,Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2013.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/1222
Issue Date: 19-Apr-2013
Appears in Collections:Dissertações e Teses defendidas na UFAL - IP

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
O corpo grávido um estudo com gestantes num hospital público.pdf2.03 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.