00 CAMPUS ARISTÓTELES CALAZANS SIMÕES (CAMPUS A. C. SIMÕES) FALE - FACULDADE DE LETRAS Dissertações e Teses defendidas na UFAL - FALE
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufal.br/jspui/handle/riufal/5401
Tipo: Tese
Título: A nasalização fonética de vogais átonas em Alagoas: uma análise sociolinguística
Título(s) alternativo(s): The phonetic nasalization of unstressed vowels in Alagoas: a sociolinguistics analysis
Autor(es): Mendonça, Ana Maria Santos de
Primeiro Orientador: Oliveira, Alan Jardel de
metadata.dc.contributor.referee1: Cardoso, João Henrique da Costa
metadata.dc.contributor.referee2: Costa, Priscila Rufino da Silva
metadata.dc.contributor.referee3: Costa, Januacele Francisca da
metadata.dc.contributor.referee4: Vitório, Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar
Resumo: De acordo com Câmara Júnior (2009[1970]), as vogais nasais do português resultam do encontro de uma vogal com uma consoante nasal, como em /ˈpoNte/ [ˈpõtɪ] "ponte" e /ˈkama/ [ˈkãmə] "cama". Com base nessa observação, pode-se considerar dois tipos de nasalização: uma fonológica e outra fonética. A primeira tem função distintiva e é gerada por uma regra de aplicação categórica. A segunda, objeto deste estudo, não é distintiva e é gerada por uma regra de aplicação variável. A regra de nasalização fonética, quando aplicada, resulta em uma vogal nasalizada como em [bãˈnãnə] "banana". Quando a regra não é aplicada, a vogal permanece oral como em [baˈnãnə] "banana". Explicar como esse fenômeno funciona na variedade alagoana contribuirá com a descrição linguística do português falado em Alagoas, bem como para a compreensão da nasalização no português brasileiro de modo geral. Com o objetivo de identificar e analisar os fatores linguísticos e sociais relacionados com a aplicação da regra de nasalização fonética de vogais átonas em Alagoas, trabalhamos com 7.713 contextos propícios à nasalização. Utilizamos os dados do Projeto Português Alagoano – PORTAL, integrado por oito municípios de Alagoas. Analisamos os dados utilizando o modelo de regressão logística multinível, o que nos permitiu controlar as variáveis "indivíduo" e "item lexical" em um nível mais agregado. Explicamos os resultados com base na sociolinguística variacionista, e com o suporte da geometria de traços, da fonologia lexical e da fonologia métrica. Concluímos que o percentual de aplicação do processo de nasalização em Alagoas, 58,4%, é menor do que esperávamos para a região Nordeste e que a aplicação do processo de nasalização está relacionada com os seguintes fatores linguísticos: i) vogais [o] e [a] – a vogal média posterior e a vogal baixa combinam os traços [-alto] e [+back], o que faz a posição da língua, durante a articulação da vogal, ficar próxima a uma simetria horizontal com o palato mole; ii) vogal tônica na primitiva – uma vogal obrigatoriamente nasal, por ser acentuada, permanecerá nasal mesmo diante do deslocamento do acento, o que ocorre, porque o processo não atravessa fronteiras de morfema; iii) contexto precedente – o contexto precedente, quando preenchido por uma consoante nasal, favorece a nasalização, porque, além da assimilação regressiva, a vogal alvo também assimila progressivamente o traço nasal; iv) contexto posterior – o contexto posterior, quando preenchido pela consoante nasal [n], apresenta associação com a nasalidade, por ela ser articulada mais próxima do palato do que a bilabial nasal [m]; v) fronteira morfológica - as junturas morfológicas inibem a regra de nasalização fonética, o que caracteriza esse tipo de nasalização como um processo intralexical, sendo possível afirmar que a nasalização fonética das vogais átonas é uma regra que se aplica no nível lexical; vi) vogal contígua oral; e vii) vogais postônicas. Não alcançamos explicações para a relação entre os fatores vi) e vii) e a aplicação do processo de nasalização. A única variável social relacionada à nasalização fonética de vogais átonas foi idade. Quanto mais jovem o falante, mais ele nasaliza, o que caracteriza a aplicação do processo de nasalização como inovador e evidencia a existência de mudança em curso favorecendo a nasalização. Quanto às variáveis agregadas, concluímos que há interferência significativa dos itens lexicais na nasalização, evidenciada pelo fato de que 40.9% da variação é explicada pela variabilidade nos itens lexicais. Essa variação poderia ser justificada por processos fonológicos não controlados nesta pesquisa e pelo fato de uma mesma palavra apresentar associação com fatores de variáveis linguísticas diferentes.
Abstract: According to Câmara Júnior (2009 [1970]), the nasal vowels result from the contact between a vowel and a nasal consonant, for example, in /ˈpoNte/ [ˈpõtɪ] "ponte" e /ˈkama/ [ˈkãmə] “cama". Based on this observation, we can consider two types of nasalization: One phonological nasalization and the other phonetic nasalization. The first has distinctive function and is generated by a categorical application rule. The second, object of this study, is not distinctive and is generated by a rule of variable application. The rule of phonetic nasalization, when applied, results in a nasalized vowel as in [bãˈnãnə] "banana". When the rule is not applied, the vowel remains oral as in [baˈnãnə] "banana". Explaining how this phenomenon works in the Alagoana variety will contribute to the linguistic description of the Portuguese spoken in Alagoas, as well as to the comprehension of nasalization in Brazilian Portuguese in general. In order to identify and analyze the linguistic and social factors related to the application of the rule of phonetic nasalization of unstressed vowels in Alagoas, we work with 7.713 contexts favorable to nasalization. We used the data from the Project Alagoano Portuguese – PORTAL Project, made up of eight municipalities of Alagoas. We analyzed the data using the multilevel logistic regression model, which allowed us to control the variables "individual" and "lexical item" at a more aggregated level. We explain the results based on variationist sociolinguistics, and with the support of trace geometry, lexical phonology and metrical phonology. We conclude that the percentage of application of the nasalization process in Alagoas, 58.4%, is lower than we expected for the Northeast region and that the nasalization process is related to the following linguistic factors: i) vowels [o] and [a] – the posterior middle vowel and the low vowel combine the [-alto] and the [+ back] traits, which makes the position of the tongue, during the articulation of the vowel, close to a horizontal symmetry with the soft palate; ii) tonic vowel in the primitive – nasal vowel must be accentuated, it will remain nasal even when the accent is displaced, this is because the process does not cross morphemes; iii) previous context – the preceding context, when filled by a nasal consonant, favors nasalization, because, in addition to the regressive assimilation, the target vowel also gradually assimilates the nasal trait; iv) posterior context - the posterior context, when filled by the nasal consonant [n], presents an association with nasality, because it is articulated closer to the palate than to the nasal bilabial [m]; and v) morphological border - morphological junctions inhibit the phonetic nasalization rule, which characterizes this type of nasalization as an intralexical process, and it is possible to state that the phonetic nasalization of atonic vowels is a rule that applies at the lexical level; vi) contiguous oral vowels; and vii) postonic vowels. We could not find any explanation for the relation between factors vi) and vii) and the application of the nasalization process. The only social variable correlated with the phonetic nasalization of unstressed vowels was age. The younger the speaker, the more he nasalizes, which characterizes the application of the nasalization process as innovative and evidences the existence of a change in progress favoring nasalization. As for the aggregated variables, we conclude that there is significant interference of lexical items in nasalization, evidenced by the fact that 40.9% of the variation is explained by the variation in lexical items. This variability could be justified by phonological processes not controlled in this research and by the fact that the same word is associated with factors of different linguistic variables.
Palavras-chave: Língua portuguesa – Variação
Nasalidade (Fonética)
Sociolinguística
Língua portuguesa – Alagoas
Portuguese language – Variation
Nasality (Phonetics)
Sociolinguistics
Portuguese language – Alagoas
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Universidade Federal de Alagoas
Sigla da Instituição: UFAL
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística
Citação: MENDONÇA, Ana Maria Santos de. A nasalização fonética de vogais átonas em Alagoas: uma análise sociolinguística. 2019. 110 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Programa de Pós Graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2019.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/5401
Data do documento: 1-abr-2019
Aparece nas coleções:Dissertações e Teses defendidas na UFAL - FALE

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
A nasalização fonética de vogais átonas em Alagoas: uma análise sociolinguística.pdfA nasalização fonética de vogais átonas em Alagoas: uma análise sociolinguística1.56 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.