00 CAMPUS ARISTÓTELES CALAZANS SIMÕES (CAMPUS A. C. SIMÕES) CECA - CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - GRADUAÇÃO - CECA Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) - Graduação - ZOOTECNIA - CECA
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufal.br/jspui/handle/riufal/4517
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Título: Consumo, degradabilidade e padrão de fermentação ruminal de blocos multinutricionais confeccionados com subprodutos da agroindústria alagoana
Autor(es): Gomes, Mariléa Batista
Primeiro Orientador: Beelen, Patricia Mendes Guimaraes
metadata.dc.contributor.referee1: Albuquerque, Ariane Loudemila Silva de
metadata.dc.contributor.referee2: Araújo Filho, José Teodorico de
Resumo: Objetivou-se avaliar o consumo, degradabilidade e o padrão de fermentação ruminal de blocos multinutricionais confeccionados com subprodutos da agroindústria alagoana. Foram utilizados três ovinos Santa Inês machos, castrados, pesando em média 60 kg, providos de cânulas ruminais. Os animais foram alojados em baias individuais, contendo comedouro e bebedouro, com água a vontade. A dieta dos animais foi constituída de feno de Tifton e suplemento, em forma de blocos multinutricionais. Os blocos multinutricionais foram confeccionados segundo metodologia descrita pela Emepa, tendo com fontes energéticas a farinha de varredura e casca de maracujá desidratada, além de melaço, minerais e agente solidificante. Como fonte proteica foi utilizado o farelo de coco e fenos de folhas de duas diferentes forrageiras nativas moídas, Marmeleiro (Croton sonderianus Muell.Arg), e Malva Branca (Waltheria (indica) douradinha A. St. - Hill)), foram distribuídos em quadrado latino, com três animais, três dietas e três períodos experimentais. O consumo de BM pode ser considerado bom, com média de 145,77g/animal/dia, a ingestão de matéria seca foi importante nutricionalmente, pois a quantidade de nutrientes ingerida aumentou o consumo de proteína bruta (CPB) e o consumo da fibra em detergente neutro (CFDN). Não houve significância estatística no consumo de volumoso dos animais suplementados com BM, quando comparado ao não suplementados. Os blocos multinutricionais apresentaram alta fração solúvel (A) e degradabilidade efetiva (DE), com taxa de passagem de 5%/h não diferindo da degradabilidade efetiva com taxa de passagem 8%/h. O padrão da curva de degradação da MS do BM Malva Branca foi semelhante aos BM Marmeleiro. A taxa de degradação após a incubação se mostrou rápida, de forma crescente e continua. Ás 48 horas, os BM Malva Branca e Marmeleiro apresentaram uma taxa de degradação da matéria seca de 82,19% e 82,83%, respectivamente. O feno apresentou uma taxa de degradação da fração potencialmente degradável no rúmen (B) de (42,22%), com uma fração solúvel (A) de (18,21%), observando uma boa degradação potencial e efetiva. A degradabilidade da PB dos BM Malva Branca e Marmeleiro foram semelhantes. Os BM apresentaram alta fração solúvel (A) da PB. O comportamento da degradação para FDN dos BM e do Feno indicaram que as paredes celulares destes alimentos apresentam fração potencialmente degradada no rúmen (B) de 56,27%; (52,12%) para os BM e (49,98%) para o Feno. A fração (C) não degradada no rúmen, o Feno se comportou com (50,02%) e degradabilidade efetiva (DE) em 8%/h de (50,06%). O BM Malva Branca apresentou maior fração (B) do FDN em relação ao BM Marmeleiro. A degradabilidade efetiva do feno ficou em 50,06% e a fração não degradada no rúmen em 50,02% de degradabilidade. A taxa de passagem a 8%/h com relação a suplementação utilizando BM verificou –se que não influenciou na degradabilidade do Feno. Avaliandose as características do conteúdo ruminal, não houve diferença na evolução diária do pH entre os tratamentos. Os tratamentos que receberam a suplementação com blocos multinutricionais apresentaram concentrações de N-NH3 superiores a 15 mg/dL de N-NH3 em todos os horários estudados. Em alguns horários do dia, os tratamentos apresentaram concentrações de N-NH3 superiores, sendo os maiores valores encontrados no tratamento com suplementação de blocos multinutricionais Malva Branca, que chegou a 45 mg/dL de N-NH3 às 6 horas. O consumo de blocos multinutricionais confeccionados com subprodutos de agroindústria e forrageiras nativas do semiárido aumentou do consumo de nutrientes da dieta e consequente ganho de peso pelo animal. Os Blocos multinutricionais apresentam elevada fração solúvel, mas com potencial como fontes proteicas e energética na suplementação de ruminantes. A suplementação com BM não influenciou na degradação do feno. A utilização de blocos multinutricionais parece ter promovido um melhor funcionamento ruminal, sem quedas bruscas no pH e os picos na concentração de amônia ruminal, que ocorre na suplementação convencional.
Abstract: The objective was to evaluate the consumption, degradability and the ruminal fermentation pattern of multinutritional blocks made with byproducts of Alagoan agroindustry. Three male Santa Inês sheep, castrated, weighing on average 60 kg, were provided with ruminal cannulae. The animals were housed in individual stalls, containing feeder and drinking fountain, with water at will. The diet of the animals was composed of Tifton hay and supplement, in the form of multinutritional blocks. The multinutritional blocks were made according to the methodology described by Emepa, with energetic sources of sweat flour and dehydrated passion fruit peel, besides molasses, minerals and solidifying agent. As a protein source, coconut meal and leaf hay were used in two different native forages, Marmeleiro (Croton sonderianus Muell.Arg), and Malva Branca (Waltheria (indica) douradinha A. St. - Hill)), were distributed in with three animals, three diets and three experimental periods. BM consumption may be considered good, with an average of 145.77 g / animal / day, the dry matter intake was important nutritionally, since the amount of nutrients ingested increased crude protein consumption (CPB) and consumption of neutral detergent fiber (CFDN). There was no statistical significance in the consumption of bulky animals supplemented with BM, when compared to those not supplemented. The multinutritional blocks had a high soluble fraction (A) and effective degradability (DE), with a 5% / h flow rate, not differing from the effective degradability with 8% / h flow rate. The DM degradation curve pattern of BM Malva Branca was similar to BM Marmeleiro. The rate of degradation after incubation was fast, increasing and continuous. At 48 hours, the BM Malva Branca and Marmeleiro had a dry matter degradation rate of 82.19% and 82.83%, respectively. The hay presented a degradation rate of the potentially degradable fraction in the rumen (B) of (42,22%), with a soluble fraction (A) of (18,21%), observing good potential and effective degradation. The degradability of PB of the White Mallow and Marmot WB were similar. BM presented high soluble fraction (A) of PB. The degradation behavior for NDF of BM and Hay indicated that the cell walls of these foods presented a potentially degraded fraction in the rumen (B) of 56.27%; (52.12%) for BM and (49.98%) for hay. The fraction (C) not degraded in the rumen, the (50,02%) and effective degradability (DE) in 8% / h of (50,06%). BM Malva Branca presented a larger fraction (B) of the NDF in relation to BM Marmeleiro. The effective degradability of the hay was 50.06% and the fraction not degraded in the rumen in 50.02% of degradability. The rate of passage at 8% / h with respect to supplementation using BM was found to have no influence on the degradability of Hay. Evaluating ruminal content characteristics, there was no difference in the daily pH evolution between treatments. Treatments that received supplementation with multinutritional blocks presented N-NH3 concentrations higher than 15 mg / dL of N-NH3 at all times studied. At some times of the day, the treatments presented higher concentrations of N-NH3, being the highest values found in the treatment with multinutritional supplementation Malva Branca, which reached 45 mg / dL of N-NH3 at 6 hours. The consumption of multinutritional blocks made with agroindustrial by-products and native forage from the semi-arid region increased the consumption of nutrients from the diet and consequent weight gain by the animal. The multinultritional blocks present high soluble fraction, but with potential as protein sources and energetic in the supplementation of ruminants. BM supplementation did not influence hay degradation. The use of multinutritional blocks seems to have promoted a better ruminal functioning, without sudden drops in pH and the peaks in ruminal ammonia concentration, which occurs in conventional supplementation
Palavras-chave: Degradabilidade
Ovinos
Suplementação
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Universidade Federal de Alagoas
Sigla da Instituição: UFAL
metadata.dc.publisher.department: Curso de Zootecnia
Citação: GOMES, Mariléa Batista. Consumo, degradabilidade e padrão de fermentação ruminal de blocos multinutricionais confeccionados com subprodutos da agroindústria alagoana. 2019. 48 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Zootecnia) - Centro de Ciências Agrárias, Curso de Zootecnia, Universidade Federal de Alagoas, Rio Largo, 2018.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/4517
Data do documento: 2-mar-2018
Aparece nas coleções:Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) - Graduação - ZOOTECNIA - CECA



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.