Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/917
metadata.dc.type: Dissertação
Title: Avaliação clínica e laboratorial de pacientes portadores de esquistossomose mansônica em localidades endêmica no município de Rio Largo no estado de Alagoas
Other Titles: Clinical and laboratory evaluation of patients with schistosomiasis mansôni in an endemic área in Rio Largo the state of Alagoas
metadata.dc.creator: Pereira, Luciano Fernandes
metadata.dc.contributor.advisor1: Wyszomirska, Rozangela Maria de Almeida Fernandes
metadata.dc.contributor.referee1: Soares, Elza Cotrim
metadata.dc.contributor.referee2: Miranda, Claudio Torres de
metadata.dc.contributor.referee3: Barreto, Emiliano de Oliveira
metadata.dc.description.resumo: Em torno de 60% do território do estado de Alagoas é considerado área endêmica para esquistossomose mansoni, sendo observadas áreas de moderada a alta prevalência com mais de dois milhões de indivíduos expostos à infecção, não sendo conhecido o atual estadiamento das formas clínicas da parasitose. Este trabalho tem o objetivo de avaliar a população de uma área endêmica de esquistossomose no Estado de Alagoas em relação à prevalência, estadiamento das formas clínicas e dados de exames laboratoriais. A amostra foi constituída de moradores de três áreas endêmicas (Ilha Angelita, Lourenço de Albuquerque e Fazenda Riachão) do município de Rio Largo, Estado de Alagoas. Foram realizados 3.082 exames parasitológico de fezes através da técnica Kato-Katz, sendo o diagnóstico firmado após a leitura de duas lâminas para cada amostra. Do total das amostras, 249 foram positivos para Schistosoma mansoni , correspondendo a uma prevalência de 8,11%. Estes pacientes foram submetidos a exame clínico e coleta de sangue para realização de exames laboratoriais. A média da carga parasitária encontrada foi de 79,1+174,3 ovos. As formas clínicas encontradas foram a intestinal (90,57%) e hepatointestinal (9,43%) sendo uma diferença estatisticamente significativa (p<0,001). Não foram encontradas formas clínicas graves. O presente estudo apresenta resultados que atualizam dados sobre a esquistossomose mansônica no município de Rio Largo e embora sejam referentes a três localidades, sugerem haver uma diminuição da carga parasitária e das formas clínicas graves.
Abstract: A total of 60% of the area of Alagoas / Brazil is considered endemic to the occurrence of schistosomiasis and is not known the classification of clinical forms of the disease. This work has the objective of evaluating an endemic Schistosomiasis population in Alagoas, taking into account the prevalence, classification of the clinical forms and the results of laboratorial analysis. The sample was made of people from endemic areas of Rio Largo/Alagoas. The participants were submitted to a stool examination by Kato-Katz technique and the diagnostic was made after the reading of two microscopic slides for each sample. The patients positive for schistosomiasis mansoni were submitted to a clinical examination and blood collection. The positivity for Schistosomiasis observed in the population under study was of 8.11%. The medium parasite load was of 79,1+174,3 eggs. The clinical forms found were intestinal (90.57%) and hepatointestinal (9.43%), statistically significant at p<0.001. There were not found serious clinical forms. The present study shows results which update information on Schistosomiasis in the city of Rio Largo, data that, although referring to only three locations of this place, suggest the decrease of the parasite load and the clinical forms as well.
Keywords: Schistosomiasis
Physical examination
Endemic diseases
Esquistossomose
Exame físico
Doenças endêmicas
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Alagoas
metadata.dc.publisher.initials: UFAL
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citation: PEREIRA, Luciano Fernandes. Avaliação clínica e laboratorial de pacientes portadores de esquistossomose mansônica em localidades endêmica no município de Rio Largo no estado de Alagoas. 2009. 86 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2009.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufal.br/handle/riufal/917
Issue Date: 9-Jul-2009
Appears in Collections:Dissertações e Teses defendidas na UFAL - ICBS



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.